quarta-feira, 25 de novembro de 2009

UM ANJO NO CORPO DE MULHER


Tudo são cores nesse imenso mar das coisas sagradas que a vida nos oferece. O turbilhão das ondas deixa um leve resquício de desespero que nos leva pro céu. Homens alados brigam pelo espaço junto à mesa dos deuses. O destino joga cartas, e parece que pela primeira vez ele deixou de me perseguir.


Colori com pincel de tinta celeste a carne que cobre meus ossos, dei-lhe uma cor de vida, e permiti que ele respirasse pela primeira vez, acreditando que existe uma experiência nova e latente em cada tonalidade vertida. Finalmente sinto como é bom descansar meu corpo. Abandonar a senda solitárias das companhias ligeiras, fincando em terra firme a âncora da minha poesia.


Provei o laranja da água quente, o verde da tarde nublada, provei o azul do céu reluzente e o vento escuro da noite estrelada.


Provei o vermelho do lápis em carta, o roxo da fantasia laureada, o preto do quarto das luzes e a menina que visitou a mesa das flores durante a madrugada.


Ontem quis tomar conta de mim, e hoje vejo que não consigo dar um passo na direção da minha certeza. Perdi a noção das minhas regras e descartei aquela forma opaca da minha rudeza. Eu pensei que podia brincar com o mundo, e percebi que o mundo brincou de exagero comigo desprezando o abrigo de toda a minha destreza.


Trago sempre minhas asas, não as abandono, pois sei que posso voar bem mais alto que o céu, toda vez que eu desejar, basta trazê-la comigo, basta levá-la pra viajar. Não precisei visitar o paraíso para descobrir a felicidade, não precisei mais do mundo para encontrar a lealdade. Não morri e mesmo assim tornei-me um anjo, descobrindo de onde os sonhos vêm. Eles vêm da quietude cultivada de um sentimento verdadeiro. Eles trazem a calma buscada de cultivar os beijos certeiros. Mantém os pés aquecidos sob os lençóis, que escondidos celebram a paisagem do tempo primeiro.


Visitei seus olhos como um viajante despreocupado, deixei minhas malas num canto livre e desavisado. Nesse instante percebi que a lua se despedia, sumindo por detrás do horizonte. Lá escurecia para mais uma noite de inquietudes, e aqui amanhecia, numa manhã onde os raios do sol escorriam pelos telhados, fazendo-nos esquecer de tudo que já existiu e elevando nosso fôlego ao mais ansioso dos momentos: O que está por acontecer!


Procurei sonolento pelo seu corpo que dormia. Encontrei em você as horas que entraram em sintonia. Tirei o relógio que não suportaria a água, e deixei que as minhas mãos tocassem a verdade dos seus sentimentos. Ocupei a madrugada com o silêncio rompido e viajei para o nosso reino com o peito despido. Deixei minha armadura nas mãos da sua doçura. Abandonei minha espada nas formas quentes da sua figura. De cavaleiro desajustado, me fiz escudeiro fiel. Abandonei os doces amargos roubados para provar o verdadeiro gosto do mel. Quando a boca sedenta pediu outra vez o beijo seu, percebi que muitas viagens me fariam voltar ao céu.


Todo instante uma surpresa, e em toda surpresa o prazer de poder acordar. Acordo nos dias misteriosos para ter a certeza de que o maior dos mistérios se curva diante do abraço sincero e das palavras que verdadeiramente sabem o que dizer.


Veleiro de cristal nas águas calmas de uma vida que começa. Abrace-me com toda a força, e sinta o vento dos navegantes sonhadores, que sai do meu peito, recolhe nossos amores, e impulsiona o barco, que a toda velocidade ruma para o poente.


Veleiro de cristal, brilha as memórias confiadas, reluz a forma bela dos seus traços, transformando os sonhos na realidade de ter você aqui sem notas ensaiadas. Nossa música eleva ao sublime tudo aquilo que gostaríamos de dizer, nossa música é mais do que a música que o mundo inteiro poderia ler. Cantar é como dizer quantos sonhos coleciono quando penso em você.


Insuspeita desavisada da cor da vida. Poderia haver luz maior que a do sol? Poderia algum perfume, perfumar mais que o cheiro suave das flores? As rosas brancas, as rosas vermelhas, são elas as mensageiras daquilo que o coração não estava próximo para dizer. O fogo dos seus lábios serve para mostrar que não existem perguntas e nem respostas certas para um sentimento novo por inteiro.


Podemos ver longe, muito longe nesses dias tão brilhantes que a realidade com gosto de fantasia escreveu. Hoje é mais um instante pra lembrar que hoje eu quero esquecer. Deixar tudo pra amanhã, e o que eu tinha pra fazer vai ficar pra depois. Agora quero que você deite no meu colo e ouça a batida viva do meu coração.

2 comentários:

Tainara disse...

"Eles vêm da quietude cultivada de um sentimento verdadeiro. Eles trazem a calma buscada de cultivar os beijos certeiros."

Sacha disse...

.. Provei o laranja da água quente, o verde da tarde nublada, provei o azul do céu reluzente e o vento escuro da noite estrelada...

*---*
Muito bom. ;D