quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

ACABOU O PAPEL


Vamos fugir para um mundo onde os sonhos se completem a cada instante. Um mundo feito de poucos dias, feito de fadas e magias. Um mundo de águas e de alegrias. Sem despedida de boa noite, com o gosto constante de um bom dia.

Onde o silêncio não cultiva lágrimas e onde o inferno é apenas um lugar perdido nos livros e nos filmes. Onde possamos viajar antes de dormir, e imaginar um céu límpido no momento do amanhecer. Sem ser preciso imaginar que palavras dizer ao acordar, e não se preocupar com a angústia na hora de se despedir.

Um mundo construído em cada minuto vivido. Sem esonderijos para as emoços, e sem atitudes que revelem falas interpretações. O verdadeiro mundo do entendimento, do cuidado, e das palavras certas que não causem arrependimento. Um mundo feito para ser guardado pelos eterno universo infinito.

Guardo suas palavras, e como um tesouro num relicário, guardo sua forma de olhar. Guardo você nos meus pensamentos e concluo em cada lembrança que você é especial, você é cósmica, você é espacial. Vive num espaço que não controlo, mas faço existir. Dentro das sementes ardentes da alma, que buscam uma terra fértil para brotar, eu crio um mundo que é só meu, e que aguarda o instante exato para germinar.

Queria que viesse comigo para esse mundo mágico, que se abre exatamente no instante que meus olhos se fecham. Um mundo da imaginação, do pensamento, dos sonhos. Como não consigo deixar de sonhar e como não consigo me desfazer da minha cabeça, constantemente estou visitando essa minha atlântida perdida. Pode ser platônica, pode até ser loucura, mas experimento a verdadeira realidade quando fecho os meus olhos para vê-la.

Siga adiante essa história. Consolide em versos os sonhos. Em poesia, os versos. Em história, as poesias, e em ações, as histórias. E numa vida repleta de vigor, escreva outras histórias, outras poesias, outros versos e outras sensações.

Já viajamos no tempo. Já estivemos presos nas cavernas iluminadas pelo fogo. Já sentamos nas casas das vilas romanas. Já fomos cavaleiros nas eras medievais. Já empunhei uma espada, reluzindo sua lâmina pelas campinas da europa, enquanto você me aguardava em nossa casa, esperando pelo retorno do nobre lutador. Já estivemos em outras cabeças, e foi na nossa história que o teatrólogo Shakespeare obteve inspiração para Romeu e Julieta.

Já viajamos os espaço do tempo, como uma ideia de amor. Já paramos à beira da estrada para ver a água que cortava a rocha, e que cantava com suavidade infantil, uma música que nos estimulava a continuar. A partir desse momento, o mundo passou a refletir o céu.

A vida poderá ser um abismo, a vida poderá ser um campo cheio de energia. A vida poderá ser um mistério dentro da sua forma de contemplação. Não quero que a vida seja porém, uma possibilidade de viver, uma praga chamada razão. Quero que o frio do medo me acompanhe e seja vencido pelo calor, que apenas a possibilidade do seu abraço, pode me dar.

5 comentários:

Bruninha disse...

Um lugar onde não há esconderijo para as emoções e onde o silêncio não cultiva lágrimas.
Eu preciso de um lugar assim!

Como sempre, texto lindo.
Beijos

Tainara disse...

"Um mundo de águas e de alegrias. Sem despedida de boa noite, com o gosto constante de um bom dia." já escreveu tudo.

Thaise disse...

Depois de mil anos sem postar...
ahuahua

"Onde possamos viajar antes de dormir, e imaginar um céu límpido no momento do amanhecer."

Ele sempre surpreende!
Saudade das suas aulas ;p

Lhiaannan-shee. disse...

No final, todos estes sonhos ficam só no papel.

Thais disse...

Uaaaal ! Uaal !
"Não quero que a vida seja porém, uma possibilidade de viver, uma praga chamada razão"