quarta-feira, 11 de junho de 2008

FALTA CULTURA PRA CUSPIR NA ESTRUTURA (se puder, repasse)

Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará. Interessante como mesmo depois de 2 mil anos esta frase continua pertinente. Se foi ou não dita pelo jovem da Galiléia,não vem ao caso. A questão é que sua relevância é fabulosa, e ela não deveria nunca ter entrado em desuso.
Na prática a frase acima não tem funcionado muito bem. Quando a escuto, gosto de trocar um pouco seus termos, e pensa-la dessa maneira: E tereis conhecimento, e o conhecimento vos libertará. O conhecimento e a sede pelo mesmo, são as únicas coisas capazes de abrir nossos olhos, de romper os grilhões da opressão. A verdadeira liberdade consiste em reconhecermos quem realmente somos. A liberdade está no pleno direito de contrariar aquilo que aprendemos, mas precisamos primeiramente aprender.
Ao longo de nossa jornada pensamos que os inimigos são os sistemas políticos, as classes sociais, os homens, julgamos que nossos algozes são figuras materializadas numa forma física, quando na verdade é a ignorância o maior defeito que podemos possuir. O homem se diferencia dos outros animais, justamente pelo fato de saber que sabe (Homo sapiens sapiens). Mas saber QUE somos de nada adiantará se não soubermos QUEM somos. Antes de contestarmos a existência e a essência do ser, precisamos conhecê-la, aprofundar nossos conhecimentos naquilo que queremos atacar. Para que nossas frases não percam o sentido, para continuarmos palpitando como verdade real precisamos conhecer, aprender e expandir nosso universo real de possibilidades.
A quietude que hoje se observa diante de tantas catástrofes nas mais variadas formas, se deve ao fato de que criamos uma sociedade muda, surda, cega e alheia a tudo que se passa ao redor. A produção cultural, artística, musical, tem estado distante dos objetivos reflexivos e contestatórios. Não prego uma revolução em forma de baderna, mas uma revolução intelectual, uma revolução onde a arma principal seja a informação, onde o campo de batalha seja a cabeça aberta para novas indéias e o inimigo, todo o foco de ignorância que permanece calado diante do mundo que passa. Que as letras transmitidas se tornem verdadeiras sinfonias em ação plena diante do espetáculo que se desenrola. Mas não se pode cair no senso comum de reclamar por reclamar, discordar por discordar, aí caímos num erro ignóbil. Temos que conhecer, aprender, estudar as entranhas de nossa sociedade, só então estaremos aptos a contestar. Só podemos repudiar aquilo que conhecemos, aquilo que experimentamos, do contrário permaneceremos presos em teses e hipóteses que servem apenas para virar assunto numa mesa de bar.

3 comentários:

Lucas disse...

Boooaaa Chê...!!!
Massa pra caraleo.. :D

Realmente.. você tem razão...
é preciso cultura.. para ter senso crítico.. ou para simplismente ter uma opinião..
(palavras sábias de mestre Cheê) valeeu..!

By: LuK_S
Extensivo Alfa Toledo

MEDINA disse...

QUERIDO, CHE!!!!

IMPOSSÍVEL SERIA DEIXAR DE RECONHECER A DIMENSÃO QUE O TEXTO TOMA NOS BRAÇOS EXATAMENTE QUANDO TE REFERES AO IMPASSE E AO EMPAREDAMENTO HUMANO DE VIVER SEM UMA PERSPECTIVA SUBJETIVA QUE É A LIBERDADE - TERMO DE AMPLA EXTENSÃO E ABRANGÊNCIA... ÁS VEZES, DE DIFÍCIL ALCANCE.

CONTINUA NAS LETRAS...

ABRAÇÃO, MEDINA.

Lucas disse...

Muito bom o texto. A busca pelo conhecimento deveria ser um estilo de vida, e não uma necessidade para certos propósitos.
Deixo a tradução de uma letra do vintersorg para você dar uma olhada, particularmente, acho ótima; Ele trata do conhecimento em geral e tem umas frases bem legais.

A essência
Uma extensão das teorias
gravita pelos mares
mudando os termos aceitos
mas ainda confirma
que está igualmente perto (ou longe)
a um átomo do que está a uma estrela

Sabemos que sinais aguçam os nervos
mas o que inicia as curvas do sinal
que está encarregado de cada pensamento?
Dessa fonte nossa consciência é ensinada
que está tão perto (ou tão longe)
a um átomo que a uma estrela

Então, o conhecimento é uma amigo ou uma ameaça?
Pois não se sofre do que não se conhece
MAs nas discussões buscamos razões
que explique as estações da tese.
Caos, ordem e complexidade,
que desafiam sua intelectualidade
pois coisas que estão no buraco assimétrico
por tempo demais, demos ao diabo esse papel.

Somos o parãmetro que desenha
o mapa das leis existenciais
quebrar tais leis é um crime,
resolveu o conflito de Newton com o tempo.

Na arena Eisntein entrou
e aumentou o conceito universal
abriu uma nova fase de detecção
mas a matéria negra ainda é um labirinto

Análise com microscópio
somente tensiona a corda polimatica
nesse foco ainda ficamos
mas o foco parece mais uma mancha

"Nossa busca pela teoria maior
é controlada por tal teoria
então a forma como pensamos é
o link mais perto?
Uma expedição por diferentes opiniões
nos dá pistas ricamente facetadas
Vamos nos concentrar em alguns dos elementos
Essa é a fonte para experimentos sem fim.