terça-feira, 11 de agosto de 2009

CAFÉ E PIMENTA COM ALTAS ALUCINAÇÕES

O choque dos sabores convidou o paladar para passear na terra da loucura. Esse pântano perdido no tempo, onde o Espírito de Deus paira no abismo. Nada é lógico e a razão se escreve na ternura.
Deus pai criou os planos da redenção. Deus filho se tornou a alegria celestial. O Espírito Santo une Pai e Filho, eternidade divinal.
Esse é o grande motivo de todo o mundo ao redor aparecer. Intuitivo, no mero desprezo pela desconhecida impossibilidade de padecer.
Vamos promover encontros inusitados? Leões passeando a solta, enquanto homens seguem enjaulados. Guarde os seus quadros.
Seqüestre o roqueiro que segue informado e de a ele um ar de funkeiro que desce notas com braços dados.
Faça de uma cadeira o palco da surpresa refletindo nas aventuras tortas que dispensam sutileza. É um corpo que se levanta, que pretende a beleza.
Quando perguntarem qual a cor da sedução, não diga vermelho como que agindo por tradição, antes responda roxo ou azul e crie assim um sinal de aproximação. Misture as cores do mundo, abra os cadeados com a rapidez de suas mãos.
Estenda o tapete roxo numa superfície, e despeje gotas de azul. Gotas cada vez maiores, que envolvem toda a cor disposta. Gotas que se espalham por cada ponto do tecido, conhecendo cada centímetro do lugar onde encosta.
Quando as cores estiverem formando um emaranhando que alcança os infinitos do arrebol, procure o escritório secreto. Seja livre, não seja discreto. Detone com dois pontos e uma arroba sua bomba no atol.
Promova uma cena entre a Santa e o Frei. Deixe-os no armário, que eles segurem a lei.Não estejam os anjos prontos para fazer companhia aos demônios. Seja a Santa Aparecida, certamente apreciada por Antônio. Os garçons ao lado da porta da cozinha já fizeram igual, hoje olham diferentes todo movimento sensual.
Nada é permitido dentro das horas de quem não pode. Com água e espuma doce, faça sorrindo o seu bigode. Viva os irlandeses! Viva os Carcamanos.
Guardanapos são bochechas. Bolo doce vira pão. Não pense que grotesca, a forma livre do poderoso chefão. Mário Puzzo me mataria. Deixe a mágica do universo seus truques escrever. Não inverta as mãos de quem chamam. Pedem para iludir você.
Dispense os restaurantes do ganho, e construa uma taberna. Imite o tom sequioso do fanho, busque seu café numa cisterna. Que os guerreiros do medievo venham saborear. Peixes e camarões à prancha, facas dispensando os garfos para cear. Quanta pernas se cruzam sob as mesas? Quantos sapos se encontram no banheiro?
Dance no espírito louco e desenfreado da desordem. Procure os quartos quando as salas já estiverem em ordem.
Numa porta aberta de guarda roupa escreva seus desejos, coloque ali suas vontades loucas. Chamando para iludir ganhe beijos, seja paciente quando as peças não forem poucas.
Não faça por intenção, aja por lealdade. Não brinque com a imaginação, ela está de braços dados com a realidade.

Pimenta: Não faça barulho no seu canto aquartelado alguém pode chegar!
Café: Como é possível calar a boca do meu lado, boca pronta pra beijar?
Pimenta: Concentrando seu deleite de paz tardia no nobre porte de um Rei,
Café: Você quieto também não ficaria se provasse os lábios que beijei.
Pimenta: Lábios?
Café: Ah, já não sei mais o gosto das horas e nem aquilo que vejo,
Bebi o suco das amoras, provei outra vez o primeiro beijo.
Joguei fora os livros de gramática, colhi a rosa por intenção.
Suave forma da temática, saudade que não segue tradução.

Sente-se num lugar qualquer, e tome uma bela garrafa de tempo. Engula as borboletas e as deixe passear. Quando a timidez rodear a boca, meus olhos poderão olhar.
Saiba sobre as verdades que importam para o jogo. O mundo gira e você jamais poderá impedir. Não tenha medo de parecer um pouco bobo. Lindos olhares profundos começam a sorrir. Isso vale a pena.

Cante as correntezas costumeiras
Assim as armas acenarão
Alegre aquela alma com anseio


Com o cuidado certo do coração
Abrace a aliança aduaneira
Antes, agora, azul, amora adoçarão.


Celebre as coisas corriqueiras e contemple cada costume certo.
A ânsia assume o adorável alaúde
Ânfora que aguarda a água, alma alva de alvo aberto.


Sorria sempre, sabendo serenamente que seus sonhos serão satisfeitos. Seu sorriso sairá sem sinal de súplica, suavizando a sedução. Saiba que os segredos surgem salvando a sensualidade. Siga os sons saudosos e saberá a soma solta da Saudade.


4 comentários:

Tainara disse...

Adorei ler esse texto, ainda mais em voz alta! E sempre é bom ter esse dom.. "não inverta as mãos de quem chamam. Pedem para iludir você."

Oleni disse...

Como é possível calar a boca do meu lado, boca pronta pra beijar. CUIDADO COM A GRIPE.Amei.

FERNANDA disse...

"Sorria sempre, sabendo serenamente que seus sonhos serão satisfeitos. Seu sorriso sairá sem sinal de súplica, suavizando a sedução. Saiba que os segredos surgem salvando a sensualidade. Siga os sons saudosos e saberá a soma solta da Saudade."
Já estou ficando viciada em ler seus textos todos os dias de manhã........Excelentes

Thais disse...

ADOREI ,Nossa, muito bom , muito bom Parabéns Che! Magnífico! Lindo de mais!

;**