sábado, 8 de agosto de 2009

FREEBIRD

Voa longe e sem medo pássaro livre. Siga a viagem que o levará aos infinitos lugares que você ainda precisa conhecer. Abraça forte cada espaço, e diga para seu coração que não ficaremos distantes de tudo. Toda Vênus um dia encontra o amanhecer.
Voa cheio de vida e reflita nas suas penas a luz do sol dessa manhã tão cinza.
A tempestade da angústia é apenas uma dor que vem ao pensar por si mesmo. Saia do esconderijo e brilhe como único, sabendo que um sol apenas, poderá trazer duas manhãs e que as tardes que julgamos incontáveis são travesseiros com gomos de romãs. Não mude a direção. Busque as rotas que o levarão para o calor, nesse inverno do sul.
Deixa de lado a proteção do ninho farpado e sombrio da semente. Saboreie o gosto perfumado que ainda está detido em suas penas. Cultive mais essa lembrança. Passe longe dos ritos intoleráveis dos seres clementes e alivie o peso da sua embriaguez nos telhados das casas em novena.
As estações mudaram, e um bom ano passou. As uvas foram espremidas no sudário, e a ânfora do vinho derramou. A vida acerta tudo sem mácula. A vida sempre foi um desafio que não aceita empate. A vida sempre acerta, o tempo dessa vez que errou.
Você está indo pra casa bom amigo. Quando eu quiser lhe ver vou olhar pra dentro de mim, assim saberei que cuidando de você, cuidarei de nós dois. O vento leva você, o vento leva tudo embora. Leva os abismos, leva as florestas. Leva a própria fé que destrói os dragões dos dias desleais. Não sobrevoe a usina Nuclear.
Segue com os anjos na paz que eles podem lhe dar. São os namorados das fadas que em outras vidas passadas me beijavam pela manhã. Agora me acostumei com o eco que serve de herança para ilustrar o testamento do peso desses dias e tardes. O verão acabou tão cedo que eu não percebi. Fiquei como alguém fazendo companhia pra ninguém, admirando de perto a distância e enfrentando a coragem lavada pela covardia da criança. O que você me diz Frank?
-- “You´re learning the blues”, mas Frank também diz: “Don´t let the blues make you bad”.
Estou certo de que a usina nuclear não deixará a guerra começar.
Agora que está longe, posso ver suas asas. Como elas são bonitas! Como elas são fortes! Nada o impedirá de voar. Bata forte as asas amiguinho, o mundo que o espera é maior que um passarinho.
Caso sinta que alguém olha pra você, saiba que é a lua da noite, o sereno da madrugada. Apenas siga com toda a calma do mundo. Seu corpo alimentará seu espírito, seu espírito trará louvor à sua mente, sua mente repousará em meu corpo, e assim seremos dois. Fala baixo o que sente, deixa o resto pra depois. Não chamo de demente quem não tem o que fazer, descobrimos encostados no secreto, a inocência do prazer.
Encare esse desafio final. Não coma mais do que puder mastigar. Não ria alto demais para não acordar a tristeza, ela tem sono leve e sua cama chama-se leveza. Faça tudo, e faça do seu jeito. Você levará a certeza da batida cumprida, ou dor da ausência estampada no peito.
Voa longe e sem medo pássaro livre. Saiba que existem muitos formatos, que só trazem tintas nos seus braços, não trazem invenção. Tudo aquilo que querem e sempre aquilo que desprezam, é uma lâmina sem fio refletindo aquilo que são.

Um comentário:

Oleni disse...

Você está indo pra casa bom amigo. Quando eu quiser lhe ver vou olhar pra dentro de mim, assim saberei que cuidando de você, cuidarei de nós dois. O vento leva você, o vento leva tudo embora. Leva os abismos, leva as florestas. Leva a própria fé que destrói os dragões dos dias desleais. Não sobrevoe a usina Nuclear.Que revolução fantástica.